Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp

Os 3 maiores porquês da Transformação Digital

Lucas Madalosso

Lucas Madalosso

Entenda os porquês de iniciar um processo de transformação digital no seu negócio imobiliário e a importância de identificar os seus porquês.
Foto de Saulo Mohana no Unsplash

Veja a velocidade que algumas startups atingiram um faturamento de U$ 100 M. 

Nesse ponto eu poderia começar aquele papo chato de falar das ameaças que as startups trazem ao mercado tradicional.

No entanto, combinando o encurtamento do ciclo de vida de uma tecnologia e a teoria das mudanças aceleradas, logo fica evidente que as oportunidades são tão grandes quanto as ameaças. 

E como eu me preparo para essas oportunidades?

Tudo começa com um porquê.

Como diria Simon Sinek “Comece pelo porquê” em um dos mais assistidos Ted Talks até hoje.

Em meu artigo anterior, tratei da importância de entender e diferenciar inovação, transformação digital e planos de ação.

Neste outro artigo, abordei rapidamente como as metodologias ágeis podem acelerar o processo de transformação digital, e como adaptá-las ao mercado imobiliário.

Entendidos estes conceitos e práticas, qual o próximo passo?

Como passo seguinte, considero fundamental entender e reforçar o real motivo pelo qual sua empresa precisa se transformar.

“As pessoas compram porque você faz e não como você faz”.

A primeira dica é dedicar tempo para investigar e lapidar o seu propósito e a sua missão. Poucos nascem com clareza neste ponto. Encontrar o propósito normalmente é uma construção diária, uma intenção rumo àquilo que toca fundo na alma do empreendedor e que se conecta com o seu negócio.

Uma simples pergunta pode ajudar: Porque eu faço o que faço?

Praticamente todos buscamos o sucesso financeiro. No entanto, basta ler os inúmeros relatos de quem chegou até ele, e rapidamente notamos o quanto o dinheiro é um resultado, o fruto de um propósito muito maior, que moveu o empreendedor acima de todas as coisas durante uma longa e dura jornada.

Outra forma de detectar se estou próximo do meu propósito, é o quão emocionado eu fico com o resultado de uma atividade sobre um mercado ou grupo de pessoas. Quanto mais visceral for essa conexão, mais perto estou daquilo que eu nasci para fazer.

Recordo da história de uma gerente da Terraz. Ela cuidava do setor de rescisões de contratos, mas ficava emocionada mesmo quando as pessoas elogiavam a granola dela. Hoje a Amo Granola é um sucesso, pois ela teve a coragem de largar tudo e se aproximar do seu propósito.

A conexão emocional é o que te aproxima dos teus clientes, trazendo entusiasmo e energia extra para acreditar um pouco mais em um momento de dificuldades.

Um olhar externo pode ser um bom ponto de partida. Tenho um mentor, um cara em quem confio, e ele me ajuda bastante nesse processo de autodescoberta.

Ok, mas o que isso tem a ver com transformação digital?

O processo de transformação será complexo e cheio de erros, prejuízos, medos e ansiedade. Vivi tudo isso durante o processo de transformação digital que conduzi na Terraz

Para transformar digitalmente uma empresa você precisará dominar alguns pontos importantes, e muitas vezes desconhecidos pela maioria, tais como: as possibilidades que as múltiplas tecnologias oferecem, gestão de dados, growth marketing, quem serão, como se comportam  e como lidar com a nova geração de concorrentes, clientes, colaboradores e etc.

Dominar esses aspectos desconhecidos é fundamental para você gerir a transformação, e sabendo que um dos maiores medos do ser humano é o medo do desconhecido, fica fácil entender porque pouca empresa consegue se transformar.

Sabemos que as 4 possíveis reações ao medo são fugir, congelar, desfalecer e lutar. Nessa hora, canalizar a energia que o medo gera para “lutar” em prol da construção do sonho grande é justamente o efeito positivo que um propósito claro te oferece.

Quanto mais forte, genuíno e claro estiver “o motivo pelo qual você acorda de manhã“, mais energia o empreendedor terá para atravessar a complexa jornada da transformação, capacitando-o para enfrentar com naturalidade as dores e resistências, especialmente do seu time e seus clientes, bem como, as muitas e naturais dúvidas de si mesmo que surgirão.

Dito isso, deixo aqui os 3 maiores porquês da Transformação Digital e que talvez sirvam de fonte de inspiração na elaboração do seu próprio propósito.

1. Poder criar algo novo para os super clientes.

“Em algum lugar, algo incrível está esperando para ser conhecido”

(Carl Sagan)

Super exigentes, super informados e super conectados.

Estamos lidando agora com a geração dos millenials e os super consumidores, e muito em breve com a geração Z. Eles querem acesso a dados, conteúdo e interações, com rapidez, facilidade e transparência. Querem engajar-se em conteúdo digital sensorial, interativo e relevante para as suas necessidades. E querem customizar e personalizar suas experiências, escolhendo e modificando suas jornadas, produtos e serviços.

Eles estão em contato com diversas marcas que já nasceram com esta mentalidade (Ex: Nubank), e não aceitarão mais as relações antigas de experiência de compra e atendimento.

O consumidor digital surge com a fusão entre internet + e-commerces + smartphones, onde as empresas saem da MULTI-canalidade para a OMNI-presença. Ele passa a entender que é possível ter Velocidade, Eficiência, Conveniência, Transparência, Informação, Praticidade, Disponibilidade e Interatividade nessa nova forma de consumir.

A ameaça ao mercado tradicional não vem dos novos concorrentes digitais. Na essência, é a mudança de comportamento do consumidor que muda o jogo e abre novos espaços. Esse é o ponto que precisa ser entendido

Antigamente, a dominância de grandes empresas era marcante e difícil de sobrepor. Hoje, em meio a tanta mudança de comportamento de consumo, entender estas mudanças significa ter acesso a incríveis oportunidades de criar uma forma nova, original, de se conectar com algum nicho específico.

2. Ter acesso a múltiplas oportunidades que antes eram praticamente inacessíveis

“Vejo as empresas tradicionais num jogo de xadrez, onde o tabuleiro está cada vez menor.”, foi o que me disse o Pedro Waengertner da ACE e autor dos livros “A estratégia da inovação radical” e “Transformação Radical”. 

Gostei da analogia. Não existe cheque mate. O jogo continua, só o tabuleiro do tradicional que encolhe, e abre espaço para muita gente nova, e também para aqueles que atuam no modelo tradicional e estão dispostos a transformar sua proposta de valor atual.

Quer um exemplo do "tabuleiro que encolhe"?

Veja o exemplo do mercado imobiliário. O número de proptechs e de construtechs pulou de aproximadamente 250 para 700 nos últimos 3 anos, segundo a Terracotta Ventures. No mundo todo são mais de 7.3 mil. Algumas terão alcance global. Cada uma delas quer um pedacinho deste jogo bilionário (mercado tradicional).

O tabuleiro reduz para o mercado tradicional, mas de forma inversamente proporcional abrem-se novas oportunidades, afinal de contas, as necessidades básicas se mantêm, ou seja, as pessoas continuam precisando morar.

3. Aumentar sua eficiência e o impacto do seu negócio

+ velocidade + resultados –  tempo

A transformação digital permite ampliar o impacto do seu negócio exponencialmente.

A Lei de Moore, criada por Gordon Moore, em 1965, previu que o poder computacional dobraria a cada 18 meses.

Hoje, o poder computacional está evoluindo a cada hora, o mesmo que nos primeiros 90 anos da computação. Este aumento de velocidade é inversamente proporcional ao declínio do custo da tecnologia. A lei de Moore explica também porque startups são tão competitivas, e é aí onde moram as oportunidades.

Diante de tanta velocidade, pouco importa o ponto que você se encontra hoje, basta entender a exponencialidade que estamos vivendo, e saber conectar-se a este mundo novo onde o mercado vai trocar de mão muito rapidamente.

Finalizo aqui relembrando sempre os 3 pontos em comum das empresas bem sucedidas atualmente, por Michael Mcqueen:

1.”Pensam em revolução, não simplesmente evolução dos seus negócios”

2.”Focam em reduzir atrito”

3.”São paranóicos de maneira saudável”

Bora nos transformar, assim transformaremos o mercado imobiliário!

Sobre o autor

Lucas Madalosso

Lucas Madalosso

Referência Nacional em Transformação Digital do Setor Imobiliário. Lucas fundou e foi CEO da Terraz Aluguel Digital. Hoje atua como mentor e investidor de Proptechs
Lucas Madalosso

Lucas Madalosso

Referência Nacional em Transformação Digital do Setor Imobiliário. Lucas fundou e foi CEO da Terraz Aluguel Digital. Hoje atua como mentor e investidor de Proptechs

Continue explorando..